Saltos são traiçoeiros

19 abr

E com duas torções consegui começar e terminar a faculdade usando muletas

De uma coisa tenho certeza: salto alto é um ser traiçoeiro. Mas não só os saltos, como escadas molhadas pela chuva, shows de rock e passos apressados. E nesse assunto sou perita. Sim! Já torci o tornozelo em situações ridículas milhões de vezes. Duas delas são memoráveis e bem traumatizantes.

Num show do Los Hermanos em 2005, me exaltei ao ouvir “A Flor” e acabei torcendo o pé ao cair de um degrau para outro no corredor do teatro do CIC (Centro Integrado de Cultura) de Florianópolis. Resultado: passei o resto do show sentada, com o pé para cima, sentindo o coitadinho inchar. Terminei a noite no Hospital Celso Ramos com uma tala de gesso no pé e três semanas pulando e pulando de muletas. (E ainda tive que ouvir piadinhas infames do tipo: “Mas se eu soubesse que o show Los Hermanos fosse tão animado, teria ido”).

Na segunda vez, uma combinação de pressa, chuva, escada e milhões de coisas na mão me levou a torcer o tornozelo – agora em 2009. Saindo de um mercadinho em Santo Antônio de Lisboa, tentei segurar guarda-chuva, jaqueta, carteira do Tadeu, bolsa e corrimão. Tudo junto e misturado, minha gente! Escorreguei bonito e só não me espatifei no chão porque meu tornozelo direito adora tomar as dores da minha vida. Diagnóstico: rompimento parcial de um ligamento. Seis semanas de pé imobilizados e milhões de sessões de fisioterapia.

A mais recente experiência desse tipo aconteceu no último sábado. Estava eu saindo de casa para ir ao cinema assistir Dieta Mediterrânea. Toda trabalhada no salto alto e estilo mocinha, escorreguei (ainda não sei se dentro da sandália ou na calçada do prédio) e torci o tornozelo de novo!

As muletinhas da ferrari foram as coisas mais úteis que comprei nos últimos tempos!

Depois de passar pela emergência do Hospital de Caridade e constatar que não quebrei o pé, fui encaminhada para um ortopedista que imobilizou o coitadinho com uma bela e pesada tala de gesso. O médico recomendou repouso de sete dias e duas semanas sem musculação (e a minha sanidade mental como fica nessa?!).

Devido aos últimos acontecimentos estou repensando se consigo/vale a pena fazer a Torta de Morango – não sei se é legal ficar pulando de um lado para o outro na cozinha, tentar alcançar ingredientes na prateleira mais alta do armário e tal. E estou em dúvida também se vou comemorar meu aniversário num barzinho de Floripa. A opção de comemorar na Kibelândia já foi descartada por causa da escadaria para subir para o andar mais charmoso do lugar. O que vocês acham?

É meu povo, não só de estômago ingrato vive uma pessoa, não é mesmo?!

Sabrina Carozzi

Anúncios

3 Respostas to “Saltos são traiçoeiros”

  1. Lívia 19/04/2011 às 13:21 #

    Assim que vi a foto, pensei “poxa, Sabrina, de novo?!” huhuhuh Boa recuperação =)

  2. Fátima Carozzi 19/04/2011 às 17:54 #

    Depoimento em solidariedade às suas torções.
    Quando era pequena, não só no tamanho, como de idade, achava que era bailarina. Vivia sem um pedaço do dedão do pé e um tornozelo sempre fora do lugar. O conselho vinha da espreita materna, que se divertia e lamentava tanta má sorte: pára de pular feito uma macaca! Para mim era arte, não estripulia, então, lá se ia mais uma luxação. Nunca fui levada a um Pronto Socorro; o remédio era caseiro mesmo: clara de ovo em ponto de neve com sal, a mistura fica dura como gesso. No dia seguinte, lá estava eu para mais umas piruetas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: