Tag Archives: gastrite

Será que é tão difícil?

11 maio

Sempre penso com muita tristeza em como simples problemas de saúde são tão difíceis de ser diagnosticados. Não sei até que ponto é responsabilidade dos médicos . Na verdade, da falta de envolvimento e interesse – e quem sabe, até de preparo – deles. Ou a responsabilidade seria também do paciente que acaba não sabendo explicar o que realmente está sentindo… No meu caso, acho que foi uma mescla dos dois problemas. Alguns profissionais não me passaram confiança e acabei não seguindo o tratamento passado. Outros subestimaram meus sintomas ou não conseguiram detectar coisas simples como a Intolerância à Lactose.

Antes de  vomitar ao me esbaldar numa festa de aniversário, todos os médicos diziam que eu não tinha nada físico, que todos os meus problemas eram psicológicos. Precisei perder quase dez quilos, ficar praticamente sem comer e sofrer muito para só depois encontrar um gastro sério que está conseguindo me ajudar.

Antes de tudo isso, passei por vários médicos, numa jornada de quase um ano de várias consultas médicas e piora dos sintomas. Um dos gastros –  conhecido cirurgião gástrico de Florianópolis – teve a coragem de dizer que eu devia apenas parar de comer queijo derretido. Isso mesmo!!! Só o queijo derretido me faria mal. Nessa ocasião eu já tinha feito o exame de sangue que diagnostica a Intolerância à Lactose e o resultado era claro: eu tinha a intolerância. E antes que vocês perguntem, sim, eu mostrei o resultado para ele.

Mas o médico insistiu em dizer que eu estava “só” estressada. “Você é jornalista? Então esse é seu problema”. E quando pedi mais explicações sobre meu problema, ele falou com toda falta de paciência e grosseria: Ah! Você é do tipo hipocondríaca? Então tá bom, te explico. Você tem Síndrome do Intestino Irritável. É só você cortar o queijo derretido e os condimentos (mostarda, catchup e afins) e você vai ficar bem.

Foi depois dessa consulta que cai na besteira de achar que deveria acreditar nos médicos e achar que eu não tinha nada físico. No próximo fim de semana, fui numa festa de aniversário e aproveitei, né? Comi queijo, patês, tomei champanhe, refrigerante, bolo, salgadinhos… Acabei a noite no banheiro vomitando como nunca! E não, eu não bebi demais! Pra falar a verdade não fiquei nem alegrinha! Muito menos bêbada!

Depois disso fui num novo gastro. E quanta diferença no atendimento, minha gente! Educação, respeito, paciência e longas explicações. O médico pediu uma endoscopia, sugeriu que eu cortasse os leites e derivados, procurasse uma nutricionista, começasse a fazer exercícios físicos e psicoterapia. Desde então, sei o que tenho: Gastrite, Esofagite causada por Refluxo Gástrico, Intolerância a Lactose e Síndrome do Intestino Irritável. Sei também que são todos problemas físicos. Com origem emocional e agravamento das crises também relacionado com o lado psicológico. Mas sei que não sou uma louca total, hipocondríaca que quer ser a doente do pedaço!

Ainda vou fazer posts explicando um pouco que é cada um desses problemas, sintomas e tal. Precisamos ajudar esses pobres médicos a conseguirem diagnosticar nossas doenças, né?! Afinal, deve ser bem difícil mesmo…

Nutricionista e vida nova

10 maio

Hoje tive pela manhã me consultei com uma nutricionista. É a segunda profissional que procuro.  A primeira experiência foi um pouco frustrante. Além de manter alimentos que prejudicariam o refluxo ou a gastrite – como café e frutas ácidas –, ela apenas tirou os leites e derivados. E só! Vamos combinar que para fazer isso, eu não precisaria ir até um profissional, né?!

Decidi insistir depois de ler um post e conversar com a Monalisa d’O Diário de Receitas Sem Lactose. Assim como meu gastro, ela falou bastante sobre a importância da importância de um acompanhamento de um nutricionista. Estou um pouco mais animada, mas só vou ter certeza depois de receber o cardápio que ela vai me mandar amanhã por email.

Na primeira vez, marquei consulta com uma nutricionista do meu plano de saúde. A consulta não durou meia hora, ela não colocou alimentos que eu gostava, fez um cardápio bem superficial e genérico. E manteve alimentos que me fazem mal e dos quais não sinto falta alguma. Vivo muito bem sem café, sem doces, sem abacaxi, presunto e tudo mais… O grande problema era encontrar substitutos para queijos, requeijão e derivados do leite. Também preciso de um cardápio que vá além da cenoura, batata e mandioquinha…

Para começar, a nutricionista disse que vai me passar a receita de uma coalhada. Seria uma opção para passar no pão no café da manhã, para fazer sanduíches… No meu caso, vou usar leite com baixo teor de lactose para preparar a coalhada.

Assim que eu receber o cardápio, posto a receita para vocês!

Até lá, deixo o post que encontrei no Diga Maria! A receita é bem parecida com a que a nutricionista comentou.

Sabrina Carozzi

A foto e a receita são do bog "Diga Maria!"

Pasta de Queijo Caseiro

Ingredientes
1 litro de leite integral (de preferência aqueles que são mantidos refrigerados – de saquinho ou garrafinha) ***
2 colheres de sopa de vinagre (usei vinagre de estragão)
1 colher de sopa de suco de limão

Modo de fazer
Leve o leite ao fogo até ferver. Desligue o fogo, aguarde uns minutos (até que consiga deixar o dedo encostado no leite por 10 segundos) e acrescente o vinagre e o limão. Misture e o leite talhará.
Forre uma peneira grande com um pano de prato limpo e despeje o leite talhado. Deixe escorrer a maior parte; depois amarre o pano numa colher de pau, pendure na torneira da pia e deixe escorrer por uma noite.
No dia seguinte transfira o conteúdo para uma vasilha e mantenha na geladeira.

Dica: eu guardei o soro e já usei para fazer purê (no lugar do leite). Li em outros blogs que também é usado para vitaminas. Enfim, não desperdice o soro e consulte sua criatividade. 🙂
Para temperar o queijo, use e abuse de azeite, cebolinha, salsinha, manjericão, pimentas, flor de sal…

*** Para os que tem Intolerância a Lactose, usar o leite com baixo teor de lactose!!!

#Mimimi

29 abr

Eu poderia estar roubando, matando ou simplesmente dormindo. Mas estou aqui para compartilhar um post bem “mimimi” com vocês. Como eu desconfiava, teria certa dificuldade de compartilhar receitas legais com vocês, já que não ando cozinhando nada além de sopa com poucas variações e mingau de aveia.

Quem acompanha o blog já sabe, mas além da intolerância à lactose, estou com gastrite, esofagite e síndrome do intestino irritável. Isso tudo torna a minha alimentação bem sem graça. E nesses últimos dias, temos também um par de muletas e um pé imobilizado para dificultar ainda mais as coisas.  #mimimi

Não me julguem! Meu estômago vai fazer eu pagar o preço pela preguiça de fazer almoço

Toda essa restrição alimentar tem tornado minha vida cheia de altos e baixos. Dias de muito ânimo, de achar que estou comendo melhor, que estou levando uma vida mais saudável. Afinal, me alimento de três em três horas, como muito mais frutas do que ultimamente, tomo muita água e tudo mais! Já em outros dias, só consigo me lembrar de tudo que não posso comer: pizza, molho vermelho, chocolate, sorvete de creme, frutas ácidas, frituras, etc e tal. E vamos combinar que se eu fosse fazer a lista de tudo que “não posso”, poderia ficar aqui por muito tempo.

Como vocês podem ver, hoje estou no dia de lamentar! E não reclamem, eu avisei que seria um post de reclamações e chororô!

Para hoje, já imaginei várias coisas que poderia fazer para o almoço, mas quando não penso coisas suculentas que fariam mal para o meu estômago, penso em como vai ser cansativo ficar pulando de um lado para o outro da cozinha para fazer alguma refeição decente.

É meu amigos, esses dias não estão sendo fáceis.

Acho que vou de pão integral e geleia de goiaba, mamão com aveia (Santa Aveia) a e um suquinho de soja! Me desejem sorte!

OBS: E se não bastasse tanta reclamação, o corretor do word me lembra que geléia já não tem mais acento… Feio, feio, feio!

Sabrina Carozzi

Mingau-salva-estômago

27 abr

Uma delícia saudável para as noites nossas de cada dia!

Um dos pratos mais saborosos da minha nova alimentação é o mingau de aveia. É ele que salva meu jantar. Alimenta, é saudável e gostoso! Confesso que torcia o nariz quando via o mingau. Achava meio nojento, pegajoso e tal. Mas depois que minha mãe conseguiu um ponto mais consistente, me apaixonei!

Resolvi postar a receita que tanto gosto depois de conversar com uma amiga que também está com gastrite. A Carol Mazzonetto disse as mesmas coisas que eu dizia sobre o mingau: “não gosto”, “é nojento”, “mas nunca comi”. Como dizer que não gosta de algo se nem provou, não é mesmo?

Além disso, Carol quer aprender a cozinhar e precisa começar com as receitas mais simples e práticas. Então esse post é dedicado a ela!

Mingau de aveia

Ingredientes:

1 copo de leite (no meu caso, uso o que tem baixo teor de lactose)

4 colheres de sopa de aveia em flocos finos

1 colher de sopa de açúcar

Modo de fazer

Dissolver a aveia e o açúcar no leite ainda frio e levar ao fogo médio (se não tiver paciência, faz no alto mesmo, como eu!). Agora é só mexer, mexer e mexer! Não deixe de mexer, senão queima tudo, empelota tudo e vira um horror! Mas pode ficar tranquilo que vai engrossar rápido! E o meu segredo é deixar engrossar bastante, até ficar borbulhante (aquelas bolhas de caldo bem grosso) e que você consiga ver bem o fundo da panela.

E pronto! Delicioso!  E se achar feio, nojento ou não gostar de primeira, tente outras vezes até achar o ponto certo!

Rendimento: 1 prato fundo cheio

Obs: Quem está com gastrite, espera esfriar um pouquinho, porque comida muito quente faz mal também, ok?!

Obs1: Meu mingau fica “de cortar”. Então se alguém preferir um mingau mais molinho, coloque mais leite ou menos aveia!

Sabrina Carozzi

A vingança tarda, mas não falha

15 abr

21 de abril de 1987 - Um bolo gigante para a pequena - e gulosa - aniversariante. Ali começava a minha paixão pela comida.

“Essa menina tem o olho maior que a barriga”. Eis a frase que mais ouvi da minha mãe durante a infância – assim como nos anos mais recentes. Também, pudera! Foi ela quem me salvou da primeira alergia alimentar que, em 1988, me levou para a emergência de um hospital em São Paulo. Com meros três aninhos – ai que gracinha! – , escondida debaixo da mesa da cozinha, devorei sozinha um pote de Io-Iô Cream de chocolate. Quando dona Rita me encontrou, a pequena Sabrina estava com os lábios inchados e chorando assustada.

Desde então, estado de alerta para os meus sumiços. E não foram poucos: atrás da cortina para comer Caldo Knnorr de Galinha, na área e serviço para acabar com o iogurte antes do jantar. E até comer alho puro e cru – e depois chorar – na cozinha de uma vizinha.

Uma manteiga derretida gulosa. Essa era a pequena Sabrina Carozzi. Comilona ainda sou e um pouquinho chorona também, principalmente durante a TPM (Tadeu – meu namorado –  que o diga). Para os ataques de choro, a terapia e a musculação estão ajudando bastante, mas para o pecado da gula ainda não encontrei solução.

Fazer um blog sobre minhas aventuras gastronômicas era um projeto que alimentava desde o ano passado quando comecei a me interessar por bolos confeitados. Porém, no entanto, todavia, deixei a ideia de lado depois de ser diagnosticada com Intolerância à Lactose, Gastrite, Esofagite e Síndrome do Intestino Irritável. Desde então, todas as minhas peripécias na cozinha se limitam a misturar legumes, carnes e ingredientes mais que saudáveis para criar sopas saborosas e leves para um estômago tão ingrato.

Mas já que não posso comer como gostaria, o que me resta é falar do que mais gosto na vida, não acham? Aqui vou dividir com vocês as receitas deliciosas que já fiz, os lugares especiais que frequento. E também vou compartilhar com vocês essa fase de adaptação a um novo estilo de vida. Vou testar receitas sem lactose, sem gordura e publicar dicas de alimentos saudáveis e gostosos. Conto com vocês nesse processo de reabilitação!

E como diria a Dani Martins, meu estômago não é ingrato: o pobre coitado já sofreu muito durante todos esses anos de gula insaciável. “Seu estômago deve ter uns 70 anos, Sabrina” Agora é a vez dele se vingar, não é?!

Sabrina Carozzi

%d blogueiros gostam disto: